24 de maio de 2013

Finest hour

No episódio anterior: Diego é dispensado das suas funções. Apressa-se ao encontro da colega, no hospital, onde encontra a criança que havia salvo anteriormente. Jéssica está em estado de coma. Diego e o rapaz, que agora se sabe chamar-se Chico, ficam numa situação de alarme, pelas informações dadas por uma paciente acamada. Alguém mal intencionado pode estar a caminho da sala onde se encontram...


episódio 3º

   A porta parou a meio da abertura, o que fez Diego franzir as sobrancelhas. Estaria alguém indeciso acerca de entrar naquela sala? Mas um polícia de elite não se pode dar ao luxo de aguardar os movimentos do inimigo. "Se tem margem de manobra, deve agir!", aprendera na instrução avançada. Numa ação pensada em milésimos de segundo, Diego eleva o joelho em direção à porta, estica a perna e dá um forte empurrão nesta, que gira violentamente para o lado de fora da sala, levando consigo o que estava por trás. Diego lança-se ao corpo que foi projetado para o corredor, antes que se pudesse levantar, aplica-lhe pressão com os dedos da mão sobre um ponto vital no pescoço e nem lhe dá tempo de gemer:
   - Quem é você?! O que quer desta sala?
   O homem, do jeito vigorosamente preso que estava por Diego, nem conseguia responder. Os seus canais respiratórios, apertados pela mão do agente, não conseguiam emitir som, e a cor da sua pele começava a tornar-se vermelha, com as veias do rosto a incharem. O homem apenas conseguiu levantar o braço a esforço para agitar o cartão que tinha agarrado à lapela da farda, o que atraiu a visão de Diego, que observou o gesto, retirou de imediato a pressão sobre o pescoço do homem e levantou-se:
   - As minhas desculpas, senhor doutor! Pensei que fosse outra pessoa. Lamento.
   O médico, um pouco atordoado, levanta-se ajudado pela mão de Diego:
   - Outra pessoa?! Como quem, por exemplo? Um assassino assaltante de hospitais? Que raio de forma é essa de receber uma pessoa? Quem iria entrar aqui que necessitasse deste ataque que você me fez? - afaga com a mão a zona do pescoço atacada por Diego - Caramba, homem...
   - Lamento imenso, mas não podia arriscar. Segundo uma senhora que está ali acamada, sim, poderia ser um malfeitor.
   - Qual senhora? A dona Maria? Só podia ser... Meu amigo, essa senhora tem problemas para além de físicos. Ela pensa que todo o mundo pode atacar a qualquer instante... Não acredite em tudo o que ela diz...
   - Ai sim...? - Diego, perante esta informação, fica um tanto ou quanto envergonhado pelas suas ações - Pois... lamento de novo, doutor, não sabia, peço desculpa.
   - Você é colega de trabalho da Jéssica e veio cá vê-la, certo?
   - Exacto. Sou o Diego, e lá dentro está o Chico, um rapaz que veio comigo. Diga-me, doutor, quanto tempo vai a Jéssica permanecer em coma? Quando é que ela desperta? É muito grave?
   - Sabe... por mais que a medicina evolua, o funcionamento do cérebro humano permanecerá um mistério. A sua colega foi vítima de uma bala projetada contra o tórax, e atingiu o pulmão direito. Felizmente não atingiu o coração ou qualquer artéria mais importante. Foi uma hemorragia simples de estancar, e os seus tecidos estão em fase de recuperação. Nada supunha que a levasse a este estado, por isso lhe disse que o cérebro é um mistério. Diga-me, sabe se foi a primeira vez que ela sofreu o impacto de uma bala?
   - Tenho a certeza. Trabalha há anos comigo e nunca foi atingida. Foi a primeira vez, sim.
   - Terá sido então o susto, concerteza. Segundo os paramédicos da ambulância que foi ao vosso encontro, ela estava já neste estado. Decerto optou inconscientemente por "se desligar" - gesticulou com os dedos o símbolo das aspas - como defesa ao medo. O tempo que levará a despertar será da responsabilidade dela, agora.
   O médico deixou as palavras assentarem na mente de Diego e, sabendo nada mais poder adiantar:
   - Vou então deixá-lo que volte ao quarto, sim? O que vim aqui fazer já fiz, que era falar consigo, agora tenho outro compromisso noutra ala do hospital, com licença...
   Diego, pensativo, mas em nada pensando, regressa lentamente ao quarto:
   - Chico, podes sair daí debaixo, não há nenhum mau aqui. - volta a posicionar-se ao lado da cama de Jéssica, levanta a mão ao nível do rosto da colega deitada e acaricia o seu cabelo, enquanto murmura suavemente: - Jéssica, tu estás bem. Porque não despertas...?
   Chico, já de pé e ao lado de Diego, olha para este e sente compaixão e afecto sairem dos olhos do agente em direção à colega:
   - Você gosta dela, não gosta?
   Diego gira a cabeça na direção do rapaz:
   - Às vezes queria gostar mais do que posso demonstrar, sabes... Mas não posso misturar o meu trabalho com sentimentos... - vira-se para o rapaz e estica-lhe a mão, à espera da dele - Vamos, a Jéssica precisa descansar... - começaram a andar em direção à porta.
   - Fiquem... - volta a reiterar a idosa acamada, quando Diego e Chico passam por ela.
   - Minha senhora, aqui ninguém faz mal a ninguém. Descanse... - tenta Diego acalmá-la uma última vez.
   - Pobre menina... aí deitada... ela confiou em... mim, e eu vou falhar...
   Diego acha aquelas palavras da senhora tão reais, mas sabe serem problemas mentais, segundo informação do médico.
   - Às vezes não me importaria de estar noutra realidade, como esta senhora... - Diego desabafa a Chico, enquanto saiem pela porta - Agora voltemos a ti, miúdo. Que idade tens? Onde moras? - enquanto percorriam os corredores de volta à entrada principal do hospital.
   - Tenho nove anos... - A resposta à pergunta seguinte saiu a custo - Moro... por aí. - e silenciou-se.
   Diego sente o embaraço do rapaz, desacelera o passo, e dobra os joelhos, baixando-se ao nível dos olhos de Chico:
   - Não tens casa, é isso que estás a dizer? Onde estão os teus pais? A tua família?
   - ... não sei... Nunca tive família...
   - Chico, tu estás bem vestido e não estás sujo. Quem te põe assim?
   - Um lar de adopção de crianças. Mas eu não gosto. Vou lá de vez em quando, mas fujo.
   Diego fica boquiaberto. Instantes depois levanta-se e continua caminho em direção à saída do hospital, com a mão do miúdo agarrada à sua:
   - Vamos ver o que podemos fazer por ti, Chico. Tens de ter estabilidade. Eu tenho uns dias livres, ficas comigo entretanto. Assim a vaguear não terás um futuro decente. Onde é esse lar onde estás? Preciso de os informar.
   - É do outro lado da cidade. Ao pé do aeroporto.
  O sol encandeia-os na rua, dado o contraste com a luz serena do hospital de onde acabam de sair. Ainda assim, Diego consegue notar o olhar de um transeunte com cara de poucos amigos que por ele se cruza em direção oposta, hospital adentro. Por meio segundo, entreolham-se, e Diego sente algo que não sabe explicar, mas que foi um dos factores que o levou até tão longe no seu trabalho de agente especial. A expressão que viu no rosto do desconhecido alertara a sua mente preparada. Mas Diego sabia que andava nervoso, e podia não ser nada demais. A velha ao lado de Jéssica podia ter razão, mas o médico dissera que eram tudo ilusões. A mente de Diego encontra-se num cruzamento de suspeitas.
   - Raios! - queixa-se Diego, sabendo que a consciência não o deixaria tranquilo. Baixa-se ao nível do rapaz, aponta para um jardim e diz:
   - Chico, senta-te naquele banco de jardim e espera até eu voltar! - o rapaz nem teve tempo de responder, Diego solta a sua mão e volta acelerado para a entrada do hospital.
   Tudo poderá ser cansaço acumulado... Tudo poderá ser real... Mas Diego não concorda ser o destino a decidir. Ele próprio precisa agir, pese embora o facto de ter sido dispensado das suas funções. Mas há coisas mais valiosas que o seu estimado trabalho... Jéssica. Ela provocava batimentos fortes no seu coração, coisa que ele apenas começava a perceber agora...



Não percas o próximo episódio...

3 comentários:

  1. estou adorando ! (:

    r: ainda tens duvidas que sou doida ? xD
    r2: não curou , compensou !

    ResponderEliminar
  2. Quem será esse "estranho"? Curiosa, muito curiosa...

    ResponderEliminar